Blog

Brasil quer reduzir em 30% o consumo de refrigerante e frear obesidade até 2019

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, apresentou nesta terça-feira (14) três novos compromissos do governo para diminuir a obesidade no Brasil. As metas da pasta fazem parte dos eventos da Década das Ações das Nações Unidas para a nutrição, que visa o acesso universal a dietas mais saudáveis e sustentáveis para os países da América Latina e do Caribe.


As metas do governo são:
-Deter o crescimento da obesidade na população adulta até 2019;
-Reduzir em 30% o consumo de refrigerantes e sucos artificiais;
-Aumentar em 17,8% o consumo de frutas e hortaliças.

Barros afirmou que vai discutir com o ministro da Educação, Mendonça Filho, uma forma de o Ministério da Saúde oferecer aos alunos de escolas públicas campanhas para estimular o consumo de alimentação saudável.
"Isso vai permitir que as crianças sejam orientadas nesta questão da alimentação, no exercício físico, e também sejam qualificadas a manusear os alimentos”, disse o ministro.
De acordo com o governo, os números de obesidade no país ultrapassam a marca de pessoas com fome. "Nosso desafio agora é inverso: é preciso ensinar a população a descascar mais e desembalar mais".
O evento Década das Ações das Nações Unidas para a Nutrição foi lançado no ano passado pela Organização das Nações Unidas (ONU). No encontro desta quinta, representas do órgão alertaram sobre a transição alimentar que os países da América Latina passam. Segundo uma pesquisa divulgado em 2016 que 58% da população da América Latina está com sobrepeso e 23% está obesa.

FONTE: G1

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
Referência na capital paulistana, o Instituto Brasileiro de Controle do Câncer, comemora a homologação da manutenção do selo de qualidade com foco na segurança do paciente. Trata-se do selo Acreditado Pleno Nível 2, emitido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Neste momento a instituição avança mais uma etapa rumo a conquista pela Excelência e Nível 3.

Como explica o gerente de Relações Institucionais da Organização Nacional de Acreditação Hospitalar (ONA), Péricles Góes da Cruz, para uma instituição de saúde, a Acreditação é uma ferramenta para a melhoria constante de seus processos, o que pode levar a excelência no atendimento, melhores resultados assistenciais e também a uma gestão mais eficiente dos recursos. “Aderir à Acreditação revela responsabilidade e comprometimento com a segurança, com a ética profissional, com os procedimentos que realiza e com a garantia de qualidade do atendimento à população”, diz.

A ONA certifica Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde (como hospitais, ambulatórios, laboratórios, serviços de Pronto Atendimento, home care, entre outros), Serviços Odontológicos, Programas de Saúde e Prevenção de Riscos e ainda Serviços para a Saúde, que incluem o processamento de Roupas para a Saúde, manipulação e esterilização e reprocessamento de materiais.

 “A Acreditação tira a liderança da zona de conforto e exige que os colaboradores participem mais das discussões e tenham análise crítica, com aprendizado e melhoria constante da assistência”, pontua Cruz. “Ser acreditado revela responsabilidade e comprometimento com a segurança, com a ética profissional, com os procedimentos que realiza e com a garantia de qualidade do atendimento à população”, conclui.

O diretor administrativo do IBCC, Domingos Sávio Alves de Faria, ressalta a importância com a continuidade da avaliação dos seus processos e afirma que periodicamente realiza auditorias internas para correção de possíveis não conformidades, garantindo assim a qualidade da assistência prestada durante todo o seguimento do paciente dentro do instituto. “Parabenizo a todos pelo empenho e dedicação e agora vamos partir para o nível 3", enfatizou.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
A Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA) anunciou na sexta-feira (17/03/17) a nomeação de David Reveco Sotomayor como CEO para a América Latina, cargo que ocupará a partir de 1º de abril de 2017. Reveco substituirá Henk de Jong, que assumiu a posição de diretor de Mercados Internacionais e membro do Comitê Executivo da Philips.

Reveco, em seu cargo de liderança dos negócios na América Latina, será responsável pela estratégia latino-americana das divisões de Saúde Pessoal e Sistemas de Saúde. David ingressou na Philips em 2000, na área de Finanças, e ocupou vários cargos de liderança de responsabilidade crescente, a nível nacional e regional. Em seu cargo atual como líder de Saúde Pessoal na América Latina, ajudou a liderar a empresa por meio do crescimento sustentável e rentável em um ambiente de mercado dinâmico. Unindo esse cargo à gestão nacional dos negócios na Argentina, Reveco liderou e executou a estratégia da divisão de Tecnologia da Saúde na Argentina, por meio da entrega de serviços e tecnologias inovadoras na área da saúde, que engloba produtos e soluções para uma vida saudável, prevenção, diagnóstico, tratamento e cuidados domiciliares.

Natural do Chile, ele é formado em Ciências Contábeis pela Universidade de Santiago e tem MBA em Finanças Corporativas pela Universidade Gabriela Mistral.

Na posição de Diretor de Mercados Internacionais, Henk de Jong será responsável por promover o desenvolvimento dos negócios nos mercados internacionais da Philips, atuando em conjunto com líderes globais para assegurar a entrega das receitas de mercado e metas de lucratividade.

“Estou confiante de que David continuará a liderar a organização na América Latina em um caminho de crescimento constante”, disse de Jong. “Sua experiência e comprometimento contribuirão para avançar nossos esforços na consolidação de nossa liderança como uma empresa focada na saúde e no bem-estar na região”, acrescentou.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A empresa foi reconhecida por seus esforços e ações globais relacionados à sustentabilidade

A Sodexo, líder mundial em Serviços de Qualidade de Vida, reforça seu posicionamento como uma das empresas mais sustentáveis do mundo ao ser reconhecida no “Anuário de Sustentabilidade 2017” da RobecoSAM com a premiação “Gold Class”. Este reconhecimento reflete a missão e a responsabilidade corporativa da organização em contribuir para o desenvolvimento econômico, social e ambiental das comunidades e regiões dos 80 países onde está presente, e o excelente desempenho das ações sustentáveis garantiu, pelo décimo ano consecutivo, a pontuação máxima no setor de atuação.

As ações de sustentabilidade da companhia são promovidas por meio do programa global “The Better Tomorrow Plan” (O Plano por um Amanhã Melhor), que determinou 4 prioridades e 18 compromissos para proteger o meio ambiente, desenvolver comunidades locais e promover ações de qualidade de vida até 2020.

 

A multinacional também estimula a empregabilidade e o desenvolvimento econômico por meio do fortalecimento das relações com os funcionários, clientes, fornecedores e parceiros, além de integrar pequenas e médias empresas (PMEs) aos seus processos. Ao longo de 2017, o Grupo planeja comprar mais de US$ 1 bilhão em produtos e serviços vindos de PMEs de todo o mundo, com o objetivo de beneficiar cerca de cinco mil pequenas empresas em 40 países, sendo que 1.500 devem ser lideradas ou gerenciadas por mulheres.

A Sodexo também atua lado a lado com as autoridades locais, ONGs e associações para contribuir com o desenvolvimento de diversas comunidades. Por meio do Instituto STOP Hunger, uma organização internacional sem fins lucrativos criada em 1996 por funcionários da empresa, a Sodexo promove ações que combatem a fome e a má nutrição em todo o mundo por meio de programas para redução do desperdício, campanhas para arrecadação de alimento, e a criação de espaços comunitários para cultivo e consumo de alimentos saudáveis.

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
Health Hub HC visa fortalecer a inovação e pesquisas que possam beneficiar a sociedade

No último dia 8 de março de 2017, o HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) inaugurou o Health Hub HC no Instituto de Radiologia. O coworking é um passo muito importante para que acadêmicos, colaboradores da instituição, professores e mercado possam se unir com o propósito de pensar em novas soluções para a saúde.

O espaço será palco para encontros e trocas de conhecimentos. A área da saúde, como debatido durante a inauguração, é reconhecidamente o setor da sociedade que mais dificulta a entrada de inovação e pensamentos vanguardistas.

O Health Hub HC está alinhado ao projeto do HCFMUSP de fortalecer a inovação em sua estrutura, garantindo que o ciclo de pesquisa e desenvolvimento se feche com a chegada de produtos e pesquisas inovadoras para a saúde que possam beneficiar os pacientes e a sociedade.

Neste primeiro momento, o Health Hub HC será voltado para a comunidade do HCMFUSP, que agrega não só algumas das mentes mais brilhantes do país, mas também o forte desejo de inovar, pesquisar, descobrir e desenvolver novas soluções em saúde. 

Com informações do Portal Startup Saúde Brasil

Ministério da Saúde apresenta novidades no Calendário de Vacinação

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Ministério da Saúde apresentou novidades no Calendário de Vacinação 2017 da rede pública de saúde e ampliou a faixa etária de cinco vacinas (além das alterações com a vacina do HPV): tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, Meningocócica C e hepatite A. As vacinas estão disponíveis nas unidades de saúde de todo o país durante o ano todo, e não somente em períodos de campanha.
HEPATITE A – A vacina hepatite A passa a ser disponibilizada para crianças até 5 anos de idade. Antes, a idade máxima era até 2 anos. Essa vacina é altamente eficaz, com taxas de soroconversão de 94% a 100%. Em países que adotaram o esquema de vacinação com uma dose, houve controle da incidência da doença, principalmente em creches e instituições semelhantes, proporcionando proteção de rebanho para a população geral. Além disso, estudos também têm demonstrado que, em cerca de 95% dos vacinados, há produção de anticorpos em níveis protetores, quatro semanas após a vacinação com uma dose.
TETRA VIRAL (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) – Em 2017, para as crianças, há ampliação da oferta da vacina tetra viral, passando a ser administrada de 15 meses até quatro anos de idade. Antes era administrada somente na faixa etária de 15 meses a menor de dois anos de idade. O Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda a vacinação das crianças com a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade (primeira dose) e aos 15 meses com a tetra viral (segunda dose com a varicela). Caso a criança perca a dose aos 15 meses, essa pode ser administrada até os 4 anos. Vale reforçar que em países que adotaram esquema de uma dose contra varicela (semelhante ao do Brasil) houve queda acentuada do número total de casos da doença, de hospitalizações e de óbitos a ela relacionados.
MENINGOCÓCICA C – O Ministério da Saúde também passou a disponibilizar a vacina meningocócica C (conjugada) para adolescentes de 12 a 13 anos. A faixa etária será ampliada, gradativamente, até 2020, quando serão incluídos crianças e adolescentes com 9 anos até 13 anos. A meta é vacinar 80% do público-alvo, formado por 7,2 milhões de adolescentes. Em Santa Catarina, são 216.948 adolescentes. Além de proporcionar proteção aos adolescentes, a ampliação alcançará o efeito protetor da imunidade de rebanho; ou seja, a proteção indireta das pessoas não vacinadas. O esquema vacinal para esse público será de um reforço ou uma dose única, conforme a situação vacinal.
“É importante ressaltar que, dos quatro subtipos, a meningite C é o mais frequente da doença em todo o país. Em Santa Catarina, representa cerca de 50% dos casos”, explica a gerente de Imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, Vanessa Vieira da Silva.
dTpa ADULTO – A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto passa a ser recomendada para as gestantes a partir da 20ª semana de gestação. As mulheres que perderam a oportunidade de serem vacinadas durante a gestação, devem receber uma dose de dTpa no puerpério, o mais precoce possível. Com essa medida, o Ministério da Saúde busca garantir que os bebês possam nascer protegidos contra a coqueluche, por conta dos anticorpos que são transferidos da mãe para o feto, evitando que eles contraiam a doença até que completem o esquema de vacinação com a vacina penta, o que só ocorre aos seis meses de idade.
TRÍPLICE VIRAL (sarampo, caxumba e rubéola) – Outra alteração se deu para a vacina tríplice viral, com a introdução da segunda dose para a população de 20 a 29 anos de idade. Anteriormente, a segunda dose era administrada até os 19 anos de idade. Com esta mudança, busca-se a correção da falha vacinal neste grupo e também considera a situação epidemiológica da caxumba nos últimos anos, cujos surtos têm acometido, principalmente, adolescentes e adultos jovens nesta faixa etária. A adoção do esquema de duas doses para esse grupo contribuirá na redução de casos da doença. Deste modo, duas doses contra sarampo, caxumba e rubéola passam a ser disponibilizadas para pessoas de 12 meses até 29 anos de idade. Para os adultos de 30 a 49 anos, permanece a indicação de apenas uma dose de tríplice viral.
Colaboração: Letícia Wilson e Patrícia Pozzo/Comunicação Secretaria de Estado da Saúde

FONTE: Engeplus

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
Seguros Unimed participa do evento atendendo ao público como expositora, e também como patrocinadora do fórum de debates CISS, que abordará a segurança do paciente como temática principal

Marcando presença pelo segundo ano consecutivo na Hospitalar, a Seguros Unimed contará com um estande no pavilhão do evento para apresentar todo seu portfólio de produtos, incluindo o Seguro de Responsabilidade Civil Profissional, que se diferencia justamente por ter uma abordagem preventiva, oferecer assessoria técnica e cobrir custos com defesa e indenizações. Além de divulgar suas principais soluções, a companhia também se firma como patrocinadora do CISS (Congresso Internacional de Serviços de Saúde) que, simultaneamente à Hospitalar e sob o tema “Segurança do Paciente – a nova fronteira de qualidade dos sistemas e dos serviços de saúde”, reunirá tomadores de decisão e influenciadores do setor para debates e apresentações diversificadas.

Especialista em soluções para o segmento da saúde, além das cooperativas, a seguradora acompanha o crescimento da judicialização do setor, oferecendo serviços para fortalecimento da governança clínica e as boas práticas de segurança do paciente. “A contratação de um seguro de responsabilidade civil revela uma atenção crescente aos aspectos de governança e compliance para gerir os riscos de forma adequada e assegurar a cobertura para aqueles não mitigáveis. Mesmo com uma operação recente, iniciada em 2014, já contamos com mais de 15 mil segurados e 325 instituições parceiras, contemplando cooperativas, associações, clínicas, entre outras”, comenta o Dr. Helton Freitas, diretor-presidente da Seguros Unimed.

Para atender todas as necessidades da área, o seguro de Responsabilidade Civil Profissional da Seguros Unimed é oferecido em três modalidades: Individual, Instituições e Coletivo. Ao contratar qualquer uma das três opções, o cliente conta com um rol diferenciado de coberturas, incluindo custos de defesa, indenizações devidas com condenações judiciais, acordos, reembolso de despesas emergenciais, entre outras. O produto ainda contempla uma série de exclusividades que superam as práticas de mercado, como orientação para prevenção e eliminação de riscos, consultoria médica e jurídica, suporte no atendimento aos riscos de segurança e capacitação em gestão integrada de risco.

Mais detalhes sobre a contratação estão disponíveis no site da Seguros Unimed. Basta clicar AQUI para acessar.

Thomaz Starzl: o pai dos transplantes

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

No último dia 4 de março, morreu aos 90 anos de idade, o Professor Thomaz Starzl. Este homem foi o primeiro a realizar um transplante de fígado, em 1963. Considerado o “pai dos transplantes”, Starzl contribuiu com a medicina de forma a falarmos em medicina antes e depois dele!

Na verdade, eu poderia, como transplantador, escrever páginas e páginas sobre suas obras e feitos médicos, ou mesmo sobre sua coragem em estabelecer como rotineiras, cirurgias que, até que ele as realizassem, eram consideradas impossíveis.
Apenas para termos uma noção, atualmente, em consequência de sua iniciativa em 1963 ao realizar o primeiro transplante hepático, são realizados mais de 15.000 destes transplantes anualmente, no mundo.

Apenas fazendo uma simples conta, no dia da sua morte, ele deve ter sido lembrado através de mais de 40 destes procedimentos realizados em todos os cinco continentes. Todavia, ao invés de repetir o que várias publicações na imprensa internacional destacaram por ocasião da sua morte, eu gostaria de destacar seu último feito: sua morte.

Apesar de não conhecer os detalhes de como ela ocorreu, vi declarações de sua família de que o Professor “Thomaz Starzl morreu em paz, na sua residência em Pittsburgh”. Talvez estejam estranhando a minha maneira de enxergar o que houve, mas gostaria de ponderar com vocês o que me parece a consagração de um homem com inteligência e capacidade de raciocínio extraordinários.

Tenho a certeza de que o Professor Thomaz Starzl poderia estar internado em qualquer UTI, de qualquer hospital dos EUA, sendo rodeado pelos mais competentes médicos do mundo, talvez entubado e respirando pelo mais moderno aparelho de respiração artificial. Mas não! Estava “em paz e em casa”.

O “Homem Starzl”, que enxergou a possibilidade de fazer o impossível durante a sua vida, pela vida dos outros, deve ter reconhecido o mais importante: a terminalidade, como fator intransigível do ser humano. Deve ter sido suficientemente lógico e racional para optar estar com a família em sua casa, no momento da sua despedida.

Transcrevo aqui um parágrafo escrito pela família, na ocasião da morte, destacando suas qualidades: “Thomas Starzl é um pioneiro, mundialmente reconhecido em ciência e medicina, mas além desse manto ele era simplesmente conhecido e amado pela pessoa que ele era. Ele era marido e alma gêmea de Joy Starzl, pai de Tim Starzl (Bimla), Thomas F. Starzl e Rebecca Starzl, avô de Ravi Starzl (Natalie) e padrinho de Lamont Chatman e Angela Ford. Ele era profundamente amado por sua tremenda inteligência, humor e sensibilidade. Seus traços de humildade, observação afiada e memória aparentemente ilimitada fundiram-se para criar uma personalidade única que era ao mesmo tempo inspiradora e reconfortante. Sua vontade de permanecer sempre em movimento o levou a grandes aventuras ao redor do mundo, desde seus amados Colorado Rockies ao mar do Japão, da tundra do norte da Finlândia às praias de Mônaco. Ele tinha um amplo conhecimento e apreciação por toda a música, do clássico ao jazz moderno. Ele gostava de assistir e analisar filmes, muitas vezes pesquisando sua produção e tópico por horas, antes e depois de repetidas exibições. Ele criou e cuidou de muitos companheiros caninos, incluindo Bevo, Thor, Maggie, Tiki, Shelby, Basta, Chooloo e Ophelia. Seu amor incondicional era igualado apenas por seu próprio amor por eles. Ele fará muita falta”.

Que tal usarmos o exemplo do Professor Thomaz Starzl e, além de trabalhar pelo bem da humanidade, aprendermos a reconhecer nossas limitações e a morte como algo natural?

Thomaz Starzl – Uma lenda do princípio ao fim.

FONTE: Veja.com.br

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
Com produtos hospitalares inovadores, companhia brasileira conquista mercado nacional e internacional

A Magnamed, empresa brasileira voltada para o mercado de cuidados intensivos e especializada em ventilação pulmonar, fechou o ano de 2016 com crescimento de faturamento de 84%. O faturamento da companhia alcançou R$ 34 milhões. Para o CEO da empresa, Wataru Ueda, os bons números de 2016 foram conquistados com estratégias focadas, como ampliação da rede de representantes comerciais, que passaram a tratar diretamente com os clientes.

O mix de produtos, que alia alta tecnologia e agilidade, sempre atendendo às reais necessidades dos clientes, também fez toda a diferença. “Conseguimos otimizar o atendimento de UTI e emergência oferecendo, em toda a nossa linha, produtos que ventilam desde neonatos até idosos, bastando que o socorrista ou médico selecione uma das opções de perfil de paciente. Após a escolha, o equipamento faz toda a configuração do padrão respiratório necessário, economizando preciosos minutos para serem usados em outras ações tão importantes para o salvamento daquela vida”, ressalta Ueda.

No mercado nacional o destaque de vendas foi o ventilador pulmonar estacionário FlexiMag Plus. Produto de altíssima qualidade, o equipamento atende a todas as necessidades das UTIs brasileiras. “O produto se mostrou altamente confiável e com muita tecnologia à disposição dos profissionais dos centros de tratamento intensivo”, afirma Ueda.

Já o aumento de vendas no exterior teve como principal protagonista o ventilador de transporte OxyMag. O equipamento também permite uma usabilidade simples e prática, com o diferencial de que, em um único equipamento, é possível ventilar desde neonatos até idosos.

Hoje mais de 50 países na Europa, América Latina, África e Oriente Médio já utilizam a tecnologia da Magnamed em centros médicos e unidades de transporte de emergência. Em 2016 entraram para a carta de clientes da empresa oito países: Costa do Marfim, Costa Rica, Macedônia, Moçambique, Nepal, Quênia, Vietnã e Zimbábue.

“O ano de 2016 foi de grandes desafios para todos os brasileiros. Nós conseguimos superar os obstáculos com crescimento devido à nossa equipe, desde a montagem até o comercial, que não mede esforços para atender às necessidades e expectativas dos nossos clientes. Esse é um dos nossos grandes diferenciais”, conclui Ueda.

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Representando um dos países europeus que mais investem em saúde, autoridades holandesas vêm ao Brasil para falar sobre os modelos de sucesso lá implantados nos últimos anos

O sistema de gestão de saúde holandês foi considerado o melhor do continente europeu pela sexta vez, segundo o Euro Health Consumer Index e será um dos temas centrais no CISS (Congresso Internacional de Serviços de Saúde), evento do Fórum Hospitalar, em sua 24ª edição na capital paulista, entre 16 e 19 de maio.

A Holanda será representada por uma delegação de 24 organizações que compartilharão com os milhares de visitantes da feira informações sobre políticas e programas de saúde utilizados na Holanda, bem como modelos assistenciais implantados no país nos últimos 15 anos. “O conjunto de mudanças implementadas no setor de healthcare holandês fez com que o país fosse considerado, mais uma vez, gestor do sistema de saúde mais bem avaliado da Europa”, afirma o Cônsul de Inovação, Tecnologia e Ciência da Holanda no Brasil, Nico Schiettekatte.

Entre os palestrantes do CISS estará o Vice-Ministro de Saúde do Ministério de Saúde, Bem-Estar e Esporte, Bas van den Dungen, que falará sobre políticas e programas da Holanda voltados para a segurança do paciente, bem como sobre os novos modelos assistenciais implantados no setor de healthcare. Dungen é responsável pelo desenvolvimento e desempenho do atual sistema de saúde, que, entre outros fatores, busca promover a qualidade de vida da população holandesa. “Devemos trabalhar mais com pessoas e menos com sistemas”, afirma o vice-ministro, que já atuou em organizações que incentivam o homecare na Holanda. “São as pessoas que fazem com que os pacientes se sintam valorizados”, ressalta.

A atuação de Bas van den Dungen, cuja agenda prioriza também o tratamento para a cura de doenças, é agora ainda mais relevante, especialmente pela mudança ocorrida no país em 2006, quando a responsabilidade do sistema de saúde foi compartilhada com as seguradoras. Esse processo de admitir uma competição gerenciada “gerou mais responsabilidades para as empresas de seguros médicos, que devem necessariamente estar alinhadas com hospitais, autoridades públicas, organizações de saúde e com o próprio paciente”, esclarece Schiettekatte.

 

Inovação Disruptiva

A Holanda traz para a Hospitalar um valor que está no ‘DNA’ dos holandeses: a inovação. O tema também aparece com frequência na feira, e ganhará ainda mais força com as ideias disruptivas holandesas que serão apresentadas nas palestras dos congressos CISS e HIMSS.

Entre as 24 organizações que integram o estande holandês estão centros médicos universitários de referência, empresas líderes em gerenciamento de dados médicos, fabricantes de produtos e equipamentos médico-hospitalares de ponta, além de instituições que criaram propostas inovadoras nos cuidados com pacientes em casa.

Para saber mais sobre o setor de saúde na Holanda, acesse

www.health-holland.nl

www.tfhc.nl/ministry-of-health-welfare-sport.

Serviço

HEALTH~HOLLAND no Fórum Hospitalar 2017

Pavilhão vermelho, Rua 17, estande 70.

Dias 16, 17, 18 e 19 de maio de 2017, das 11h às 20h

Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo/SP